Queda de cabelo pós-estresse: por que isso acontece?

Hora de lavar os cabelos ou escová-los e de repente você começa a notar que aquela quantidade de fios que sempre costumam cair aumentou muito. Sabia que a razão para essa queda excessiva pode estar em algum evento de aproximadamente 3 meses antes?

Você já deve ter passado por isso ou ouvido falar de alguém que teve uma queda intensa dos cabelos algum tempo depois de uma gripe forte, uma cirurgia ou uma situação de grande stress. É comum acontecer, por exemplo, no pós-parto ou após infecções agudas, como dengue ou covid.
Nesse post você vai entender melhor por que isso acontece e o que pode fazer para minimizar esse processo de queda. Vamos lá?

Conheça o Eflúvio Telógeno: a causa mais comum de queda capilar

 

É chamada de Eflúvio Telógeno a condição caracterizada por um aumento na queda diária dos cabelos após uma situação estressante.
O que acontece, nesses casos, é que o episódio de estresse causa um desequilíbrio no ciclo normal dos folículos pilosos, fazendo com que um grande número deles entre simultaneamente em fase de repouso.

Normalmente, cerca de 85 a 90% dos folículos do nosso couro cabeludo estão na fase anágena (fase de crescimento), 1% na fase catágena (fase de regressão), e 10 a 15% na fase telógena (fase de repouso e preparação para a queda do cabelo).

No eflúvio telógeno, essa proporção muda e uma quantidade maior de folículos entra na última fase do ciclo capilar. A queda excessiva acaba acontecendo, de fato, cerca de 100 dias após o evento que causou o desequilíbrio, pois esse é o tempo de duração da fase telógena.

Mas o que causa o eflúvio telógeno?

As possíveis causas do eflúvio telógeno são inúmeras. Entre as principais, podemos citar:

Para o diagnóstico do eflúvio telógeno, como para qualquer condição relacionada à queda capilar, é fundamental a avaliação de um médico dermatologista. É também o especialista quem poderá indicar a necessidade de um tratamento.

Quando os cabelos pedem um fortalecimento!

Na maioria dos casos, o eflúvio telógeno é uma condição autolimitada, ou seja, resolve-se naturalmente após alguns meses, com os cabelos voltando a crescer e o ciclo capilar se normalizando. No entanto, é importante a avaliação médica para certificar que não há nenhuma outra condição associada ao problema.

Um cuidado que é muito bem-vindo nesses casos é o fortalecimento dos folículos de todo o couro cabeludo, e é aí que a nanoformulação capilar de SANCTIO entra em ação!

O ativo de SANCTIO é o SH-Heptapeptide-13, que é similar ao peptídeo Ang-(1-7) presente no nosso próprio organismo. Por isso dizemos que SANCTIO possui um ativo biomimético, que age diretamente no bulbo capilar e melhora o aporte de nutrientes para o folículo piloso.
Essa nutrição extra e fortalecimento dos folículos ajuda a mantê-los ativos, fazendo a manutenção da fase anágena. Por isso, uma boa dica é iniciar o uso de SANCTIO assim que se identifica uma situação potencial para o eflúvio telógeno (ao passar por uma cirurgia, após o parto, etc.) SANCTIO tem ação local e pode ser usado com segurança, não apresentando contra-indicações.

Agora que você entendeu o que causa a queda de cabelo pós-estresse, descubra também como SANCTIO atua no fortalecimento dos cabelos e revitalização do couro cabeludo. Clique aqui para conhecer em detalhes essa nanotecnologia inovadora!

 

Compartilhar pelas redes sociais